Entre outras coisas, entender o aspecto do negócio  ao qual o Blockchain será aplicado é extremamente  importante

Está se tornando consensual que o sistema de registo distribuído utilizado para a autenticação de pagamentos em criptomoedas pode ser adaptado para uma vasta gama muito mais alargada de processos.

A Computerworld do Reino Unido falou com Niamh O’Connell e Gavin Pacini, do laboratório de blockchain da Deloitte, para recolher alguns conselhos sobre como desenvolver as habilidades dos profissionais deTi para trabalhos que envolvam Blockchain.

A procura de peritos para desenvolver projetos piloto e lançar produtos tem crescido acentuadamente.  Há indícios de que o crescimento da contratação está em vários setores e verticais da indústria. Alguns têm as estratégias Blockchain mais desenvolvidas, outros, como os bancos Barclays ou BBVA, estão a investigar a tecnologia, enquanto que outros já têm conhecimento, mas estão ainda a testar o terreno.

As empresas estão contratando vários perfis relacionados com Blockchain. Para algumas isto significa recrutar peritos com experiência no desenvolvimento e acompanhamentos de sistemas de produção. Mas por vezes, grandes organizações preferem criar uma equipe em torno de um núcleo de peritos em Blockchain. Neste caso, o que precisam, além de profissionais com fortes competências em programação de software e engenharia, é ter conhecimentos sólidos sobre os princípios que regem a tecnologia.

Naturalmente, o Blockchain é apenas mais uma peça na engrenagem da tecnologia. Os engenheiros especializados em redes ou segurança, por exemplo, têm um papel vital a par daqueles com competências específicas em desenvolvimento de software.

Conhecer ferramentas modernas como a de contentores Docker ou arquiteturas de microsserviços é uma vantagem também.

Qualificações necessárias para um programador de Blockchain

Obviamente, em primeiro lugar, esse profissional necessita de conhecimentos em Ciências de Computação ou Engenharia. A partir daí é possível fazer cursos de formação em Blockchain adicionais. No entanto, esses cursos são escassos, uma vez que a tecnologia ainda é recente. A experiência em funções de desenvolvimento de back-end é crucial, sendo que é essencial ter algumas noções de criptografia.

Se o programador tiver essas bases pode começar a aprender mais sobre as diversas plataformas Blockchain, o que vai acabar por se tornar mais sistematizado, explica Gavin Pacini, do laboratório de Blockchain na Deloitte. Existem algumas opções em linguagem de programação para Blockchain, mas Pacini diz que muitas das APIs e dos SDKs desenvolvidos são criados em Javascript. Mais especificamente, em Node.js. “Sendo uma plataforma relativamente nova e de rápida implantação, as pessoas na indústria do Blockchain estão tentando acompanhar o ritmo e não querem usar tecnologias antigas”, explica.

De qualquer modo os engenheiros de software poliglotas, que são capazes de programar em várias linguagens, parecem estar entre os preferidos. Conhecimentos de Java e C++ estão entre os requisitos de muitas ofertas de emprego.

Profissionais que vão trabalhar em projetos Blockchain também precisam ser adaptáveis e ter vontade de interagir com outros programadores. Geralmente falta documentação para se apoiar e os programadores precisam se sentir confortáveis na busca de código de opensource. “Não é uma plataforma consolidada, por isso não existe ainda uma curva de aprendizagem real. Tivemos casos em que tivemos de pesquisar o código fonte de projetos de código aberto, com mais intensidade que o normal”, disse Pacini. As equipes vão precisar usar o  Reddit, para se manterem  atualizados  com as discussões relevantes na indústria, e o GitHub, para aprenderem com os seus pares e compartilharem código.  Tal como muitas coisas na vida, quanto maior o empenho, maiores os resultados.

Além disso, O’Connel lembrar que entender o aspecto do negócio ao qual o Blockchain será aplicado é extremamente importante para trabalhar com a tecnologia. Um dos desafios únicos do seu papel no laboratório tem sido educar os clientes sobre as características únicas da tecnologias e analisar se ela é aplicável ou não para os seus negócios.

“O interesse no Blockchain tem aumentado, especialmente no último ano, e isto significa que as pessoas estão interessadas em utilizá-lo, mesmo sem compreender de que modo é que deve ser utilizado em comparação com uma base de dados tradicional”, disse. “Os clientes vinham nos procurar com casos de uso que pretendiam explorar, e,depois de algumas sessões de formação, concluíamos que o Blockchain não fazia sentido para os seus negócios”, acrescentou.

 

Fonte: CIO