É animador poder incitar discussões como essa e pensar que, para o futuro, não há limite

A tecnologia de alocação, acesso e cálculos de dados na nuvem, entre outros serviços, também conhecida como cloud computing, está mudando a forma como fazemos negócios. De acordo com um estudo divulgado pela IDC Brasil, a admissão de infraestruturas, plataformas e softwares de serviço em nuvem pública irá apurar cerca de R$ 1,7 bilhão ainda este ano, e terá esse valor dobrado até 2020, sendo o mercado brasileiro um dos maiores colaboradores para esses resultados. A IDC também prevê que, até 2021, cerca de 40% do PIB da América Latina será oriundo do meio digital, impulsionado pelo crescimento das operações do setor.

Mesmo com o avanço da adoção de serviços em nuvem, a utilização de servidores on-premise – em instalações físicas – ainda é realidade na maioria dos negócios. Aos poucos, a sociedade se conscientiza do poder catalisador da tecnologia e do potencial de otimização e integração de processos que a nuvem possibilita. A transformação digital não é opcional, é obrigatória, bem como a evolução e reinvenção dos negócios para adaptarem-se ao meio digital. Apenas os negócios inteligentes, sejam eles pequenos ou grandes, prosperarão no mercado corporativo do futuro.

Neste contexto, a IDC classifica as soluções baseadas em nuvem como as que possuem maior potencial de investimento no Brasil e na América Latina nos próximos anos, devido ao seu papel de facilitador de transformação digital e inovação comercial. Baseado em tecnologias disruptivas e inteligentes como machine learning e análise preditiva, as soluções de cloud vão possibilitar que empresas executem processos de negócios com base em uma única fonte de informação e transformar grandes quantidades de dados em informações úteis e em tempo real.

A nuvem nos possibilita agir sem estarmos conectados a um servidor físico dentro da empresa, de forma escalável, conectada, integrada e inteligente, com toda a proteção e privacidade dos dados. É animador poder incitar discussões como essa e pensar que, para o futuro, não há limite.

 

Fonte: Computerworld

Autor: Jaime Muller