Como o processo de padrões IoT ainda está em sua infância, há uma sensação crescente de urgência nesse campo

À medida que as empresas começam a pensar em construir redes de Internet das Coisas (IoT), a questão-chave passa a ser: o que vem acontecendo em relação à padronização?

Sem plataformas e padrões para orientar o desenvolvimento de produtos e serviços, a IoT pode se tornar uma bagunça caótica.

Padrões amplamente aceitos são necessários em três áreas-chave:

1 – Os próprios dispositivos, que podem incluir praticamente qualquer coisa, desde luzes urbanas inteligentes até controles industriais e equipamentos agrícolas.

2 – A rede, que provavelmente será uma combinação de redes com e sem fio que levarão os dados IoT de volta para um data center.

3 – E um sistema de alertas ou análises ou alguma maneira de tornar os dados acionáveis.

Estes sistemas precisam trabalhar juntos para que a IoT seja útil para as empresas. Como o processo de padrões IoT ainda está em sua infância, há uma sensação crescente de urgência nesse campo.

Um levantamento oindo quase 1 mil empresas em todo o mundo, realizado pelo 451 Research entre agosto e outubro de 2016, mostra que 71% das organizações estão coletando dados como parte das iniciativas de IoT hoje. E elas esperam aumentar seus gastos com tecnologia de IoT em 33% nos próximos 12 meses.

A maioria (90%) planeja aumentar os gastos de IoT nos próximos 12 meses e 40% planejaram aumentar os investimentos relacionados ao IOT em 25% a 50% em relação a 2016.

Procedimento operacional padrão
Então, o que está acontecendo com os padrões de IoT?

“Sinceramente, agora eu caracterizaria as atividades de padronização de IoT como confusas”, diz Mike Krell, analista principal de IoT da Moor Insights and Strategy.

“IOT é uma enorme paisagem que cobre tanto novos como antigos consumidores e aplicações industriais”, diz Krell. “Construir um sistema a partir do zero é uma coisa, mas tentar reaproveitar sistemas e instalações mais antigos é algo completamente diferente. Padrões que podem abranger as necessidades de todas essas partes móveis são muito difíceis, senão impossíveis, de se desenvolver. ”

Isso não significa que as pessoas não estejam tentando.  “A padronização de IoT é um trabalho em andamento”, acrescenta Ian Grant, analista sênior da empresa de inteligência de mercado e consultoria GlobalData. “Dada a complexidade do tema, provavelmente sempre haverá novos padrões para trabalhar”.

Em termos de redes móveis, o “hype” mais recente é o 5G, diz Grant.

“A maioria das empresas quer um sistema que funcione para elas, então a importância dos padrões é relativa à quantidade de dados que você precisa trocar entre sistemas e parceiros externos”, diz Grant. “Se você não precisa enviar dados fora do seu firewall, provavelmente não se importa muito com os padrões, contanto que o sistema geral funcione para você.”

Há um número de plataformas populares do software que endereçam partes do enigma de IoT, tais como dispositivos conectados, redes sem fio e alertas ou análise para tornar os dados processáveis, diz Grant.

Exemplos incluem a plataforma ThingWorx IoT, da PTC; GE Predix, que se concentra na IoT industrial; e Cisco Jasper Control Center.

Todos os três estão disponíveis em plataformas de nuvem pública hospedada dos principais players, como Microsoft Azure, AWS e IBM Bluemix, e em plataformas de co-operação.

Padrões de conectividade
Além de 5G, áreas de foco em relação a normas de conectividade para IoT incluem LTE-NB e LTE-M, diz Krell.

“Os dois padrões LTE são construídos como uma extensão da infraestrutura LTE existente, enquanto 5G é uma coisa inteiramente nova”, diz Krell. “Para conectividade de curto alcance, temos na maior parte extensões de padrões existentes como WiFi, Bluetooth e ZigBee, mas com opções de software adicionadas como Open Connectivity Foundation (OCF) e ZigBee’s DotDot”.

O OCF, que se formou quando vários consórcios se fundiram, está criando uma especificação e patrocinando um projeto de código aberto na camada de aplicação para que qualquer dispositivo conectado possa conversar com qualquer outro.

OCF “tem como objetivo tornar-se o padrão para comunicação de dados dispositivo a dispositivo em redes próximas como a da sua casa”, diz Chris Steck, diretor de relações técnicas Jasper, da Cisco, que fornece uma plataforma de software baseada em nuvem para o IoT.

A Intel também está envolvida na IoT, como membro fundador da OCF. Além de uma especificação padrão, a OCF também fornecerá modelos de dados para um projeto de código aberto chamado IoTivity, hospedado pela Fundação Linux, diz Dipti Vachani, vice-presidente de Estratégia e Tecnologia do grupo de IoT da  Intel.

O projeto fornece uma implementação de referência completa da norma, bem como um programa de certificação OCF para garantir a interoperabilidade, diz Vachani.

O objetivo do OCF “é fornecer um middleware de interoperabilidade padrão necessário para que todos os dispositivos conectados possam descobrir e se comunicar uns com os outros, independentemente do fabricante, do sistema operacional, do chipset ou do transporte físico”, diz Vachani.

3GPP contra LoRaWAN
Outro esforço de padrões é o 3rd Generation Partnership Project (3GPP), que está liderando o esforço dos operadores móveis em IoT. O projeto une sete organizações de desenvolvimento de telecomunicações conhecidas como “parceiros organizacionais” e fornece a seus membros um ambiente estável para produzir os relatórios e especificações que definem as tecnologias 3GPP.

O projeto abrange as tecnologias de redes de telecomunicações celulares, incluindo o acesso via rádio, a rede de transporte principal e as capacidades de serviço, incluindo segurança e qualidade de serviço.

As especificações também fornecem ganchos para o acesso não-rádio à rede principal e para o interfuncionamento com redes WiFi. 

Os três grupos de especificações técnicas do 3GPP são Redes de Acesso pot Rádio, Serviços e Aspectos de Sistemas e Núcleo de Rede e Terminais.

O esforço 3GPP tem concorrência para baixa potência: a LoRa Alliance, que oferece LoRaWAN, uma especificação destinada a objetos sem fio operados por bateria em uma rede regional, nacional ou global. O LoRaWAN visa os principais requisitos do IoT, tais como serviços seguros de comunicação bidirecional, mobilidade e localização.

A especificação LoRaWAN fornece interoperabilidade perfeita entre coisas inteligentes sem a necessidade de instalações locais complexas, de acordo com a LoRa Alliance.

Machine to machine
Um dos esforços de padrões de IoT que está ganhando força é a aliança oneM2M , que está desenvolvendo especificações técnicas que atendem à necessidade de uma Camada de Serviço M2M (máquina a máquina) comum que pode ser prontamente incorporada ao hardware e ao software. O oneM2M seria usado para conectar dispositivos no campo com servidores de aplicativos M2M em todo o mundo.

O esforço da oneM2M é um bom exemplo de como várias organizações de desenvolvimento de padrões estão se concentrando onde podem agregar mais valor, diz Steck.

O OneM2M está ajudando a facilitar a troca de dados entre diferentes dispositivos e servidores de aplicativos, e provavelmente será adotado para casos de uso que exigem muita interconexão, como em cidades inteligentes, diz Steck.

“As indústrias provavelmente não usarão um padrão horizontal singular para IoT, mas sim um conjunto de padrões selecionados a partir de um grupo de padrões concorrentes, de várias verticais, para melhor atender a sua necessidade”, acrescenta.

Dispositivo para dispositivo
No campo da IoT Industrial, o protocolo de conectividade MQTT está sendo adotado para comunicações de dados de entre dispositivos unidirecionais e assíncronos e o provedor de serviços remoto, diz Steck. “O MQTT é visto como um padrão líder em comunicações de dispositivo a dispositivo, que se assemelha mais às comunicações em tempo real através de um ‘barramento'”, diz ele.

O gerenciamento de dispositivos é uma área onde a adoção de padrões está ocorrendo lentamente, diz Steck. “Mas isso deve mudar nos próximos dois anos, com o lançamento do OMA Lightweight M2M”, diz ele.

Internet industrial
Outra importante iniciativa de padronização de IoT é o Industrial Internet Consortium (IIC).

“Um dos objetivos o IIC é identificar e abordar questões do ecossistema para a implantação da IoT Industrial”, diz Steck. “Eles produziram arquiteturas de referência. As empresas da IIC se reúnem em um ambiente experimental para lidar com casos de uso, e relatar ao consórcio sobre os desafios identificados “.

Com algo tão amplo quanto o IoT, é provável que padrões universais e plataformas usadas por todos os usuários, cobrindo todas as áreas de IoT, não sejam viáveis.

“Não posso dizer honestamente que hoje temos padrões sendo desenvolvidos que permitam que tudo funcione em conjunto”, diz Krell. “Os tipos de itens e objetivos são muitos e variados. Estamos tentando encontrar áreas específicas que possamos trazer a algum nível de consistência, para que possamos pelo menos reduzir o número de opções. ”

“Haverá grupos de interesse que vão querer compartilhar dados e diminuir o custo de fazer isso”, diz ele. Mas dificilmente teremos um única norma.

“O IoT exige uma arquitetura além da que evoluiu para a internet”, diz Vachani. “Os bilhões de novos dispositivos conectados precisam ser capazes de descobrir e se comunicar uns com os outros. A interoperabilidade em grande escala precisa ser alcançada. ” Mas, dificilmente, teremos uma norma universal.

Fonte: CIO