Profissional, em geral, precisa apresentar mais do que habilidades e competências com o ambiente básico de TI, alerta especialista em RH

Mais do que competências técnicas, o novo cenário da Tecnologia da Informação (TI) ligada a negócios exige diversas outras habilidades para que profissionais se destaquem.

Daniel de Paiva, sênior partner da Havik Innovate Executive Search – consultoria de recrutamento e seleção de talentos -, comenta que tem observado que os profissionais de TI, principalmente os que exercem posições de liderança, têm sido exigidos de várias atribuições mais voltadas ao desempenho e performance do business da empresa do que somente as bases de operação da TI.

“A inserção de informações de base da empresa Data Lake às frentes de Inovação capitaneadas, muitas vezes, por TI, faz com que as habilidades tradicionais como infraestrutura, sistema e suporte não sejam suficientes para que o ambiente se desenvolva e, com isso, atuar com temas ligados ao ambiente digital e inovação baseada em expectativas e tendências de consumo, leva o profissional a vivenciar grandes desafios profissionais, em um ambiente de constante mudança, randômico, variável”, alerta o headhunter responsável pelas áreas de Tecnologia e Energia da Havik.

Mas o que um headhunter busca em um profissional do setor de tecnologia?

“O profissional, em geral, precisa apresentar mais do que habilidades e competências com o ambiente básico de TI”, garante o especialista, que lista 10 habilidades essenciais. São elas:

  1. Trazer consigo capacidade para lidar com gestão de pessoas, dados e de projetos
  2. Comunicar-se de forma eficiente, clara e direta
  3. Amparar suas atividades, bem como as da equipe, no desenvolvimento de negócios (atuais e futuros)
  4. Demonstrar prática em experimentos para que os riscos sejam controlados
  5. Traços de Pós-Modernidade (um diferencial entre os profissionais de transformação), algo que será certamente um dos diferenciais do profissional a ser contratado
  6. Conhecimentos técnicos para certificar-se de qual estrutura possui para mapear melhorias que darão suporte ao crescimento do negócio
  7. Senso Crítico para diagnóstico de equipe, ferramentas e orçamento
  8. Flexibilidade, responsabilidade e paciência, pois a rotina será baseada em resolver questões entre áreas, pessoas, prazos e valores envolvidos
  9. Gestão do tempo (próprio e da equipe)
  10. Visão analítica financeira, pois os investimentos em tecnologia são sempre muito relevantes e com margem de erro praticamente nula. Essa é uma característica de um perfil Econômico Utilitário, que sabe onde e como investir
  11. Futurista, para manter-se conectado com todas as novidades e possibilidades que os estudo de futurismo apresentam e que podem ser inseridos no negócio, bem como para mapear as ameaças que esses estudos representem.

“Creio que esses pontos definem bem competências, habilidades e atitudes do atual profissional de TI que as empresas têm buscado, ou melhor, precisam para adequar sua base tecnológica ao negócio”, finaliza Paiva.

Fonte: Computerworld
Autor: Redação Computerworld